X
X
 





















 

Inventário de GEE+
 
Inventários & Neutralizações
 

A neutralização ou compensação oferecida pelo Programa Atmosfera pode ser ligada direta ou indiretamente a produtos ou serviços que a empresa oferece, a processos, ações próprias ou terceirizados.

Além destas categorias, pode ser compensada a produção de CO2 emitida na fabricação de um determinado produto, a prestação de todo tipo de serviço; processos de vendas; funcionamento de instalações industriais, escritórios ou núcleos operacionais; incluindo a neutralização de viagens ou a locomoção de executivos, funcionários e outros profissionais; canais de distribuição, atividades de comunicação e promoção de eventos, próprios ou patrocinados.

Cada programa de neutralização do Programa Atmosfera é desenvolvido de acordo com as necessidades de cada corporação, após uma avaliação dos seus objetivos e da disponibilidade de recursos que pretende investir.

E a primeira etapa deste processo é a elaboração do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa – GEE. Neste levantamento determina-se o perfil de cada empresa ou instituição e elabora-se um diagnóstico completo das atividades antrópicas exercidas e suas consequentes emissões. A partir da análise desses dados obtidos a empresa ou organização pode definir estratégias, projetos e metas para a redução dessas emissões.

O Inventário de Emissões de GEE são igualmente importantes para que a empresa ou instituição invista em novas tecnologias, com o objetivo de garantir uma melhor eficácia em seus processos, gerando economia de recursos e operações.

Os critérios de cálculo das emissões de cada atividade segue a metodologia descrita em Araújo (2007) e relatórios do IPCC - Intergovernamental Pannel on Climate Change (1996 e 2006), modificada de acordo com a avaliação dos auditores da Agência Ambiental Pick-upau para a realidade da atividade. O “Good Practice Guidance and Uncertainty Management in National Greenhouse Inventories – Revised 1996 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas”

Segue ainda a recomendação do IPCC sobre o uso de fatores de emissão locais para aplicação dos cálculos, uma vez que seu manual adota fatores de emissão relativos aos combustíveis utilizados nos Estados Unidos e nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os órgãos nacionais que determinam os fatores a serem utilizados são o Ministério de Minas e Energia (MME), o Ministério de Ciências e Tecnologia (MCT) e a Agência Nacional do Petróleo (ANP). O Programa Atmosfera utiliza também como fonte de metodologia aplicada GHG Protocol, desenvolvida pelo World Resources Institute (WRI) e o World Business Council for Sustainable Development (WBCSD).

http://www.mudasnativas.org.br/